Pantera Cor de Rosa

Este é o blog de Juliana Carpes Imperial, mais conhecida pelos desconhecidos como a Pantera Cor de Rosa por volta e meia ir correr toda de rosa.

sábado, novembro 20, 2010

5º Etapa do Circuito AVAt de Cross

Por causa da fascite plantar, infelizmente perdi as últimas duas etapas. Nesta ainda corri bem fora de forma. Na verdade, eu queria correr os Jogos Abertos do Interior que foi no mesmo dia, só que não dá para correr uma competição adulta, mesmo que nem todos os atletas sejam federados, e dar um baita vexame. Além de sofrer deboche, irião fazer queixa para o Vinícius.

Na semana anterior eu pedi para o Thiago ir no escritório do instituto Semeai para me inscrever. Na AVAt, o tesoureiro, responsável pelas incrições, simplesmente nunca está presente. Na terça ele pegou um engarrafamento e quando chegou lá, às 18:30, já tinha fechado. Na quinta, ele chegou com o escritório já fechando. Só que ele pagou os R$ 35,00 reais e não R$ 15,00 que os membros da AVAt pagam. No dia seguinte ele foi lá, acertou os valores e me buscou no trabalho. Ele queria correr também, porém tinha prova no dia seguinte e precisaria estar descansado.

No sábado fomos pegar o kit. Passamos pelo Bob's da Rio Branco que tem café da manhã. Pensamos em tomar um cappuccino. Perguntamos ao caixa se tinha e ele respondeu afirmativamente. Só depois de já pago e já nos servindo que ele veio dizer que não tinha. Os funcionários pareciam bem despreparados, pois um dos atendentes não sabia preparar um milk-shake. Cadê o treinamento? Resolvi pedir o dinheiro de volta. O cara demorou séculos pois havia ido atrás da supervisora. Ao dizer que estava com pressa, ele me devolveu a nota de R$ 20,00 que eu tinha dado, mas já ia esquecendo de me pedir o troco de R$ 10,00 de volta. Sorte dele que sou honesta.

Fomos embora para o escritório do instituto Semeai, onde reclamei da ausência do cara responsável pelas inscrições na AVAt. Novamente haveria um ônibus para nos levar ao local da corrida. Ele sairia do quartel general da PM até o quartel do Sulacap. Eu achava que o QG da PM fosse aquele quartelzão ao lado do Sambódromo. Contudo, ali é apenas o batalhão de choque. O QG é próximo ao municipal.

No dia da corrida, o Thiago estava todo mole e dizia que devia estar doente. Seu mal é dormir tarde demais, isso sim. Ele também estava muito chato por causa da ciumeira. Ninguém pode me olhar.

O horário marcado para pegar o ônibus era às 6:30. Só que ao chegar lá, não tinha ônibus algum e outros corredores disseram que o horário marcado era às 7 h. Muito chato isso, pois poderia ter dormido um pouco mais. 7 h e nada de o ônibus aparecer. Liguei para o Coronel Rabelo e ele não me atendeu. Um outro homem que coordenava uma equipe ligou também. Ele recebeu uma ligação posteriormente do cel avisando que mandaria uma viatura à garagem da viação Verdun para saber do ônibus. Passou mais um tempo e ele chegou. Eu havia dito para que todos ficassem ali esperando pois o cel tinha que nos esperar para começar a corrida. Mas a Railda resolveu pegar um ônibus normal para ir até a corrida. Como sempre, o ônibus pegou um caminho bem mais longo. Parecia até taxi.

Chegamos lá em cima da hora. A cidade devia estar sem polícia, pois o que havia de carro de polícia estacionado lá não era brincadeira. Tinha carro de vários batalhões. A corrida deveria começar às 8:30. Todavia, devido ao atraso, iria começar às 9 h. A Railda chegou depois da gente, mas chegou. Nesse meio tempo, tive uma discussão séria com o Thiago. Ele falou que um cara olhou para mim e sismou que eu achara graça nisso. Não há o que fazer, policial é assanhado mesmo, com raras exceções. O cara da mesa de som, por exemplo. Não parava de me olhar mesmo junto com o Thiago. Teve uma hora que me olhou e ao perceber que estava acompanhada, comprimentou o Thiago. Ao irmos embora, esse cara me deu um sorrisinho. Esse aí merecia uns cascudos.

A largada da corrida foi por volta das 9:15. Desta vez não teve chip. Foi terrível para mim. Totalmente fora de forma, via muita gente que corre bem menos do que eu quando em forma na minha frente. E, como sempre, a gente acaba saindo mais forte do que pode. Sem falar que a discussão com o Thiago de certo me afetou.

Cada volta eu ia mais devagar. Vi que o Thiago me fotografava. A cada volta os policiais contavam as voltas. Cada volta tinha 2 Km e parecia estar medido corretamente. Preferia o percurso do cross do ano passado, que tinha um terreno mais difícil. Como todos sabem, gosto de aventura. Esse cross, de cross, só tinha a metade do percurso de grama molhada.

Ainda na segunda volta vi os campeões me dando capote. Ao menos nenhuma mulher me deu capote. Cheguei para cair nos braços do Thiago. Nisso ele e outras pessoas ajudaram a me levar até a barraca das frutas. Minha cabeça doía muito. Na verdade ele não fotografava e sim filmava a corrida. Só que ao me acudir fechou o celular e perdeu tudo.

Comi muito abacaxi e passei bastante gelo, já que minhas panturrilhas estavam muito assadas. O Thiago só quis tomar o guaraná natural mesmo. Enquanto estava sentada de maneira descontraída, o Thiago falou que um policial viera me olhar. Deixa ele...

Fui me alongar depois de comer MUITO junto com o Thiago no ginásio. Durante o alongamento, falei para o Thiago ignorar os caras que me olham pois senão vai brigar com 90 % dos homens da Terra.

Durante o alongamento, já me chamaram para a premiação. Só tinha eu na faixa-etária e eu havia sido a primeira. Ganhei os R$ 40,00 e uma medalha especial. Só que meu tempo foi uma vergonha: 42:52.3 para fazer os 8 Km de cross. O narrador, o mesmo de sempre, que se parece com o Sílvio Santos, falou do fato de eu ter caído nos braços do Thiago ao fim da corrida. Enquanto eu estava no pódio, uma senhora falou ao Thiago que seu ciúme era bobagem. Será que se todo mundo falar isso ele para com essa ciumeira toda?

Ao voltar para o alongamento, o Thiago resolveu bater uma bola com umas crianças e quis andar se equilibrando na grade.

Logo deu a hora de ir embora e fomos para o ônibus. Não demorou muito e ele saiu. O motorista ganhou um melão. Por mim, podem dar todos os melões pois eu não gosto dessa fruta sem graça.

Antes de o ônibus sair, o Thiago falou que os policiais mexeram direto com uma senhora durante a corrida. A explicação era as coisas que dizia. Enquanto o pessoal embarcava, começou a perguntar para uns homens se eles subiram no pau, ao invés de falar pódio.

Novamente o ônibus pegou o maior caminho possível para voltar. Para meu desespero, comecei a ficar muito apertada para fazer um pipi. Ao chegar perto do quartel, o pessoal pediu para ir direto para a Praça Paris. Eu tive que pedir no desespero para que parassem no QG para que eu pudesse ir ao banheiro. Eu não aguentaria ir até o banheiro químico onde estava sendo a retirada de kits do Circuito Vênus.

Após o pipi, fomos até o MAM pegar meu kit. Aproveitei para degustar um sorvete de iogurte, que estava amargo, e uns sanduíches. Estava tendo aula de ioga, mas isso não é uma boa na véspera da corrida e eu estava cansada demais.

No ônibus de volta, o Thiago reclamou que um cara de aliança me olhara. Como eu já disse, os homens em sua grande maioria são safados. E os corretos não costumam admitir isso. Entretanto, como brigar com a maioria esmagadora?

Eu queria chegar em casa e fazer uma piscina de gelo já que tinha corrida no dia seguinte. Porém, a loja de gelo estava fechada. Ao chegar em casa, liguei para várias lojas de gelo. Todavia nenhuma delas me atendeu. E se eu quisesse fazer uma festa?

Marcadores:

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

Free counter and stats for your website on www.motigo.com