Pantera Cor de Rosa

Este é o blog de Juliana Carpes Imperial, mais conhecida pelos desconhecidos como a Pantera Cor de Rosa por volta e meia ir correr toda de rosa.

sexta-feira, dezembro 10, 2010

Corrida Pan-Americana 2010


Eu coloquei esta imagem para a postagem justamente por eu aparecer na propaganda da foto oficial no círculo vermelho.

Eu também fiz a inscrição do Thiago nessa corrida. Ele para os 5 Km e eu para os 10 Km. Como essa corrida é da Globo, ele decidiu mais uma vez correr de Bozo. Eu não gostaria de correr fantasiada apesar de estar fora de forma e saber que não teria grande ambições, mas antes e depois da corrida eu decidi que seria a Bozolina. Para quem não sabe, a Bozolina nunca apareceu, apenas a sua irmã, a Bozolinda. Então, não precisava de um figurino específico. Como deram todas as minhas fantasias do ballet, arrumei uma caipira da minha irmã sem usar o avental e um velho par de sapatilhas de ponta. A meia-calça 7/8 era branca e a sapatilha rosa salmão, o que não combina muito. Eu ainda tenho uma sapatilha da mesma cor que a minha irmã nunca usou. Se eu um dia resolver comprar uma nova para a fantasia, isso só vai ocorrer quando todas as velhas que eu tenho e que ela tinha estiverem no osso. Caso isso aconteça, aí sim compro uma sapatilha de ponta branca.

Durante a semana a mãe do Thiago deu um jeito no babado para ficar parecido com o do Bozo. Já na véspera o Thiago pintou o sapato novamente e fez um dos pompons com a ajuda da minha mãe e de vídeos na Internet. É muito difícil fazer isso. Acabou que só deu tempo de fazer 1, que ficou ótimo.

Na véspera nós ainda fomos tirar o kit. Não gostei da camiseta, que era azul escura (quente!) e com alguns defeitos, apesar de ser da Fila. Sem falar que deu rolo na inscrição do Thiago e precisaram arrumar um novo número para ele. Desta vez ao menos veio o saco de café. Se a corrida é patrocinada por um café, eles têm que dar um pacote de graça para os participantes.

De noite não consegui dormir quase nada. Se foram 2 horas de sono, foi muito. O Thiago também demorou a pegar no sono. Não sei se foi ansiedade porque nunca fui em uma corrida fantasiada ou se foi problema de baixa de progesterona, já que estava começando a ficar inchada. Só sei que eu iria acordar às 5:00 e o Thiago às 4:30 para nos arrumar.

Quando eu acordei o Thiago ainda estava dormindo. Ele esquecera de colocar o celular para despertar. O pior é que ele é do tipo que acorda e fica todo mole. Não é como eu que pula da cama e já fico acelerada. Acho que até me estressei demais ao dizer para ele correr a cada coisa que fazia. Sorte que dessa fez usou uma pasta branca e não pancake, o que fez a maquiagem ser mais rápida. Só não foi ainda mais rápido porque a tal pasta caiu em seu olho e tudo leva a crer que ele tem alergia a ela. Seus olhos ficaram o tempo todo vermelhos, parecendo que tinha fumado maconha. Eu me arrumei rápido. Coloquei a sunguinha e o top branco, o vestido de caipira, a meia 7/8, a sapatilha de ponta, passei laquê para o cabelo com a trança ficar duro e coloquei um laço de fita em cada lado. O Thiago ainda fez três pintas vermelhas com batom: uma no nariz eu outras duas nas bochechas.

Como estávamos com pressa e um ônibus poderia não parar para 2 pessoas fantasiadas (sem falar no possível sucesso que faríamos entre os passageiros), pegamos um taxi. Já nessa hora comecei a ver que a meia 7/8 não ficava presa, sempre caindo. Por isso, eu a coloquei logo acima do joelho. Ficou estranho, mas não teve outro jeito.

Por uma bobeira minha, saltamos um pouco antes do local da corrida, em frente ao Vivo Rio, onde há uma boate. O pessoal ali enloqueceu, com todo mundo querendo tirar foto com o Bozo e até querendo que ele entrasse na boate. Dava para ver que estavam todos bêbados, com os olhos vermelhos. Saímos depressa antes que arranjassem confusão conosco.

Andamos um pouco e chegamos ao local da corrida. Ainda estava vazio pois estava bem cedo. Mas logo que as pessoas começaram a chegar, o sucesso começou. Era um tal de todo mundo querer tirar foto conosco! Teve uma hora que veio um grupo enorme para tirar foto. O rosto do Thiago até ficava cansado de tanto sorrir para fotos. O homem-árvore nem fez muito sucesso por causa do Bozo. Notei que desta vez quase não tinha ninguém fantasiado.

Notei que nesta edição as instalações da corrida eram pequenas e simples, ao contrário de anos anteriores. O pódio nem em um palco estava e o cara do microfone ficava escondido junto da área de som, ao invés de ficar em cima de um palco. As próprias área vip e espaço Caixa estavam feitas de maneira simples e improvida. Seria falta de verba ou tempo? Ou teriam que desmontar tudo muito rápido?

Quando deu 7:30 eu fui trocar de roupa. Sorte que perto do guada-volumes havia um trocador. Bem melhor do que ir ao banheiro químico sujo, fedorento e abafado para fazer isso. Assim que me troquei guardamos as coisas no guarda-volumes com o número dele.

Pedi para o Thiago ir lá para trás na hora da largada, para não atrapalhar quem iria correr de verdade. Já o homem-árvore foi lá para a frente. Tá certo que ele até corre, mas atrapalha quem corre bem. Eu mesma não fiquei muito lá na frente pois sei que estou fora de forma. Além da noite mal dormida, estava sentindo princípio de câimbra nas panturrilhas por ter ficado na ponta dos pés. Afinal, ballet e corrida são coisas completamente distintas. Antes da largada disseram que estávamos ao vivo para todo o Brasil na Globo e vimos um helicóptero, supostamente da Globo, lá em cima.

Dada a largada e eu sentia que não iria render bem. Sem falar que estava muito quente. As marcações de quilômetro estavam absurdamente erradas. Havia muita gente, mas não deu para ter atropelos nem engarrafamento durante a largada. A quantidade de postos d'água estava boa e ainda podíamos pegar água antes da largada.

Terminei os 10 Km com 55:52, em 785º lugar no geral absoluto, 99º no geral feminino e em 11º na faixa-etária de 30-34 feminino. Já o Thiago terminou os 5 Km com 31:22, em 278º lugar no geral absoluto, 219º no geral masculino e em 44° na faixa-etária de 25-29 masculino. Achei o lanche fraco. Para piorar, ele ficou exposto de véspera num baita sol. Tinha muitos saquinhos considerando o número de participantes. Eu até consegui mais um lanche para mim e o Thiago, mas eles são difíceis de dar mais. O que vão fazer com tanto lanche que sobrou? O Gatorate eu ainda consegui tomar umas três vezes com a ajuda do segurança que gostou da fantasia do Bozo.

Eu tinha marcado de me encontrar com o Thiago na área do lanche, só que ele não estava lá. Fui achá-lo em outro lugar, onde tirava foto com muitas pessoas. Ele estava com a maquiagem toda borrada e o sapato descascado. Eu peguei o número dele e fui até o guarda volumes pegar a bolsa com a minha fantasia. Vesti-a novamente no vestiário. E saí para fazer bagunça novamente. É uma pena não podermos passar pela faixa de chegada novamente ou ficar fazendo besteiras ali. Como a grande maioria das pessoas já tinha chegado, não iríamos atrapalhar em nada. Eu queria me divertir mais, porém, já não dava para ficar na ponta do pé. Seja pela sapatilha que ficou acabada, seja pelas panturrilhas que doiam a ponto de quase ter câimbras.

A premiação também foi bem rápida. Rápida até demais. Quando eu cheguei, já estavam premiando os vencedores. E só deu atleta fera. Mas ao contrário do anunciado no site, o Frank Caldeira não esteve lá. Afinal, não foi anunciado na hora da largada. E, ao contrário do prometido, não teve nenhum sorteio de pacotes para a São Silvestre e a Maratona de São Paulo. Baita propaganda enganosa. Sei que dificilmente ganho algo em sorteio, mas eu bem que queria ganhar.

Já o Thiago me contou que fez um baita sucesso durante a corrida. E que as pessoas ficaram furiosas com o fato de ele correr mais do que muita gente mesmo com aquele sapato grande e pesado. Isso porque elas não sabem que ele sequer treina. De certo daria um bom atleta.

Ao final fomos na tenda do som onde estava o cara do microfone, que anunciou a presença do Bozo no local. Ele, que é gordinho, mexeu com a magreza do Thiago. Aliás, muita gente comentou esse fato, o que o deixa furioso. Só que está magro demais mesmo...

Na volta para casa fizemos mais sucesso. Seja no trânsito no Centro ou no Maracanã. Até o guarda do Maracanã quis falar com o Bozo. Achei estranho umas crianças chamando o Bozo em uma varanda. Afinal, elas não o viram na TV. Ao chegar em casa eu bem que queria tirar fotos. Porém, teríamos que retocar a maquiagem e estávamos mortos. Fomos para o banho mesmo. O Thiago comeu todos os torrones e barras de cereal do lanche, juntamente com os géis de carboídrato do kit. Ele ficou com os olhos fechados por um bom tempo e lacrimejando bastante por causa da maquiagem. Quando minha mãe chegou em casa falou que queria ter tirado foto antes de sairmos, mas estávamos com tanta pressa que não deu tempo.

Infelizmente descobrimos que a corrida não passou na TV por causa da ocupação do morro pela polícia. Só falavam nisso o domingo todo. E, para piorar, a corrida não passou ao vivo para todo o Brasil. E nada de o Bozo aparecer. Nem no dia nem no dia seguinte no RJTV, onde apareceu a mulher do galo. Já na corrida só apareceu o homem-árvore. Certamente filmaram o Thiago. Todavia talvez não o mostraram para não dar problemas com o SBT e com os advogados que representam a marca Bozo no Brasil. Se eu estivesse com $$, iria com ele para a Volta da Pampulha e a São Silvestre só para aparecer e fazer sucesso, sem competir. Pena que viajar seja tão caro! Só não fui fazer palhaçada na meia-maratona deste ano por causa do pé machucado.

As fotos e os vídeos estão no meu Orkut. Alguns vídeos também podem ser acessados através do meu canal do YouTube, cujo link está na lateral do blog.

Fotos: Meu álbum do Orkut
Vídeos:
Minha chegada na 10 K Rio Corrida Pan-Americana 2010
O palhaço de todos vocês chegando na 10 K Rio Corrida Pan-Americana 2010
Corrida Pan Americana - Rio - 2010

Marcadores:

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

Free counter and stats for your website on www.motigo.com